http://dc255.4shared.com/download/hu1EdXjk/audio-player.js
sem ganasagora em versão medicada!
Aqui jaz
j f
morreu
como tinha vivido
sem ganas

Joan Fuster

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Cola

Estou a acabar de ler Dormir ao Sol, do argentino Adolfo Bioy Casares. Tinha comprado há uns anos, num alfarrabista, o segundo volume de uma antologia dele em espanhol, livro que ficou esquecido até agora. Posteriormente, na feira do livro, encontrei uma edição portuguesa que adquiri, desconhecendo que a obra já constava da tal antologia. Decidi-me ler o espanhol, espreitando de vez em quando o português. E tem sido interessante. Três exemplos:

  • Uma mulher rubia. Para quem não saiba castelhano, como o tradutor da Editorial Estampa, poderá parecer que ela é ruiva. Na realidade, é loura. Ruiva seria pelirroja. Aparece traduzido assim em, pelo menos, três ocasiões.

  • “Soy gorda y pesada – contestó – pero también soy querendona.”. Traduzido por “sou gorda e pesada – respondeu – mas também sou amorosa.” Aqui é ambíguo, reconheço-o. Pesada pode significar o mesmo que em português, é verdade, como pode significar chata ou fastidiosa, entre outras coisas. Tendo ela dito ser gorda, parece-me redundante reconhecer-se pesada – como tendo peso a mais –, e mais provável que se afirme antes como sendo chata. Para contextualizar: ela é enfermeira num hospício onde ele está internado, e vem insistindo para que ele fuja e iniciem uma relação. Quando ele lhe diz que tal não é possível por ser casado, ela faz uma fita, rebolando no chão, envolvendo lágrimas, gemidos e todo o tipo de palavrões... Chatinha, portanto.

  • A minha favorita: Dois médicos junto a duas macas. Numa está uma mulher, na outra não se vê o que seja. Ordena um deles: “No le toques la cola.” Cola tanto é rabo como cauda. O protagonista, estando escondido a ouvir a conversa e desconhecendo estar um cão na segunda maca, fica revoltado, pensando que o médico se referia ao traseiro da mulher. Já o leitor da edição portuguesa só pode ficar intrigado. Afinal, qual o motivo para a irritação da criatura com a perfeitamente inócua frase “não lhe toques no pescoço”? Pescoço é cuelo em espanhol, palavra que partilha duas letras com cola, daí que se entenda por inteiro a confusão do tradutor.

Arquivo

E-MAIL
© SEM GANAS 2010